Stela Barbieri

DEPOIMENTOS


Stela Barbieri 

Artista plástica, educadora, escritora e contadora de histórias.


No trabalho com Georgia experimentei a possibilidade da voz ocupar o espaço, voar, voltar e circular.

Me emocionei com a transformação da voz de meus colegas de curso. Com este trabalho percebemos que podemos nos encontrar em nós com leveza, com alegria, as vezes sentindo nossas dores mais profundas, mas sentindo o que se passa em nós, ao achar outros que nos habitam. Cantar feio, com uma voz que vem da terra, do nordeste brasileiro.

Georgia é surpreendente ao perceber nosso instrumento musical e nos dar toques sobre ele, fazemdo-nos experimentar outras possibilidades de nós mesmos.


Quando ela trabalha com as pessoas, compartilha com cada um de nós, sua torcida para que nós desatemos os nos que nos prendem numa couraça mecânica de dia dia inconsciente. Vibrei e torci com ela, por cada pessoa que encontrei e agradeço pela oportunidade de cantar, cantar feio, cantar grande, cantar alto, cantar suave, cantar lindo, cantar de verdade.


 

Lembrei deste poema de Gildes Bezerra:

Cantá


Cantá seja lá cumu fô

Si a dô fô mais grandi qui o peito

Cantá bem mais forte qui a dô

Cantá pru mor da aligria

Tomém pru mor da triteza,

Cantano é qui a natureza

Insina os ome a cantá

Cantá sintino sodade

Qui dexa as marca di verga

Di arguém qui os óio num vê

I o coração inda inxerga

Cantá coieno as coieta

Ou qui nem bigorna no maio

Qui canto bão de iscuitá

É o som na minhã di trabaio

Cantá cumu quem dinuncia

A pió injustiça da vida:

A fomi i as panela vazia

Nus lá qui num tem mais cumida

Cantá nossa vida i a roça

Nas quar germina as semente



As qui dão fruto na terra

I as qui dão fruto na gente

Cantá as caboca cum jeito,

Cum viola i catiguria

Si elas cantá nu seu peito

Num tem cantá qui alivia

Cantá pru mor dispertá

U amor qui bati i consola

Pontiano dentro da gente

Um coração di viola

Cantá cum muitos amigos

Qui a vida canta mio

É im bando qui os passarim

Cantano disperta o só

Cantá, cantá sempri mais:

Di tardi, di noiti i di dia

Cantá, cantá qui a paiz

Carece de mais cantoria

Cantá seja lá cumu fô

Si a dô fô mais grandi qui o peito,

Cantá bem mais forti qui a dô.